Socialize
rotate background

TIPOS DE MADEIRAS

   Na hora de mandar fazer um móvel novo ou mesmo comprar você ainda fica inseguro com as “madeiras”do mercado, não sabe qual escolher, não conhece direito o que está comprando, é durável, é resistente, posso colocar em qualquer lugar?
   A principal vantagem dos painéis de madeira industrializada em relação à madeira maciça, além do custo reduzido, é a preservação do meio ambiente. Por isso, cada dia mais a madeira perde lugar para os painéis.
Mas existem tantos tipos, qual é o melhor, mais barato, qual escolher?
Na hora de fazer um móvel novo para a sua casa, nada melhor do que conhecer cada uma delas e escolher a mais adequada para seu propósito, já que muitas vezes somos levados a acreditar que a qualidade está relacionada somente com o preço.
O importante, antes de qualquer coisa, é saber como e onde a madeira será utilizada e com as dicas abaixo ficará mais fácil escolher o painel ideal.

MDF (Medium Density Fiberboard – Painel de Fibras de Média Densidade)

MDF

Composição: Fibras, pinus ou eucalipto, triturados, aglutinados e compactados com uma resina sintética à alta pressão e calor.
Aparência Final: Placas uniformes e lisas, que possibilita um acabamento envernizado, pinturas de todos os tipos e aplicações de revestimentos como tecidos e papel de parede, lâminas de madeira e PVC.
Permite o corte das chapas em qualquer sentido por ser constituído por fibras não orientadas.
Dimensões: Mais comum são chapas de 2,75 x 1,83 m, com espessuras variadas, entre 2,5 e 30mm.
Vantagens:
– Não possui nós, veios ou imperfeições, o que permite junções entre placas;
– Quase equivalente à madeira em termos de trabalhabilidade, como: baixo-relevo, entalhes e usinagens (cortes bem acabados proporcionando diferentes formatos aos móveis);
– Resistente à abrasão (desgaste por atrito);
– Ecologicamente correto: produzido com madeira reflorestada;
Desvantagens:
– Vulneráveis a ambientes úmidos. Para utilizá-los nessas condições, deve-se recobrir ou proteger as superfícies através de revestimentos melamínicos, esmaltes ou vernizes poliuretanos, para que não apresentem problemas.

 
MDP

MDP

Composição: Mesma composição do MDF. Formadas por duas camadas de partículas finas nas extremidades e uma terceira camada, no centro, por partículas maiores. É a chamada “madeira padrão” associada ao nome da madeira natural que representa (“madeira padrão”mogno).
Tipos de revestimento: Permite pinturas comuns e laqueadas, laminados e impressões.
Dimensões: Comumente encontradas em placas de 2,75 x 1,84 m. As espessuras variam de 9 a 28 mm.
Vantagens:
– Boa fixação das ferragens, devido às partículas grossas no centro;
– Chapas mais baratas. Isto ocorre principalmente pelo MDF ser composto por partículas de madeira reflorestada, ao invés de fibras;
– Assim como MDF, assim aproveita-se melhor a madeira, reduzindo custos. Por este motivo grandes fábricas e lojas de modulados preferem este material.
Desvantagens:
– Devido à sua heterogeneidade não permite entalhes profundos, cantos arredondados ou usinagem.

Aglomerado

AGLOMERADO

Composição: Painel de partículas de pinus, resíduos de madeira como pó e serragem, aglutinados com adesivo sintético. Hoje perdeu lugar para o MDP.
A má fama deste produto originou-se da utilização indevida de ferragens para madeira maciça, que podem rachar as placas, por possuir espaços ocos internamente, este tipo de madeira exige ferragens especiais.
Tipos de revestimento: Permite pinturas e vernizes, mas não laminados, pois sua superfície não é tão lisa.
Dimensões: Placas comumente encontradas com 2,75 x 1,83 m. Suas espessuras variam de 8 a 40 mm.
Vantagens:
– Recebe menos pressão na fabricação e por esse motivo tem menos chances de empenar que o MDF ou MDP.
Desvantagens:
– Não suporta tanto peso quanto o MDP;
– Em sua fabricação ainda são usadas madeiras tropicais provenientes de florestas nativas.

Compensado

COMPENSADO

Composição: Composto por lâminas de madeira, pinus ou de virola, unidas por adesivos e resinas através de pressão e calor.
Tipos de compensado: o multilaminado (foto esquerda), composto por lâminas sobrepostas e cruzadas, e o sarrafeado (foto direita), que possui a mesma estrutura nas superfícies, mas no interior, possui uma espécie de tapete composto por madeira serrada. O sarrafeado é mais caro devido ao processo de fabricação e à pequena procura. Este tipo de painel possui menor tendência ao empenamento.
Aparência: O multilaminado é uniforme nas laterais, já o sarrafeado mostra um miolo diferente das lâminas externas.
Tipos de revestimento: Podem receber pinturas e vernizes. O laminado com o tempo pode apresentar algumas bolhas.
Dimensões:Chapas de 2,20 x 1,60 m. Podem variar de 3 a 18 mm.
Vantagens:
– As lâminas compensam as tensões no sentido contrário da outra.
Desvantagens:
– 40% do compensado brasileiro ainda é produzido com matéria-prima proveniente de floresta nativa.

OSB (Oriented Strand Board – Painel de Tiras de Madeira Orientadas)

OSB

Composição: Lascas de madeira prensadas em três camadas perpendiculares e unidas com resina, resistente a intempéries, aplicada sob alta pressão e temperatura, aumentando sua resistência mecânica, rigidez e estabilidade.
Aparência: Lascas ficam evidentes.
Tipos de revestimento: Normalmente são utilizados sem acabamento. Aceita vernizes e tintas, mas não aderem bem ao laminado.
Dimensões: Placas de 2,20 x 1,10 m e 2,44 x 1,22 m, com espessuras que variam de 6 a 30 mm.
Vantagens:
– 100% proveniente de reflorestamento, ecologicamente mais eficiente;
– Alta resistência físico-mecânica, semelhante ao MDF e MDP;
– Resistente às intempéries, ótima opção para o mobiliário externo;
– Maior resistência ao empenamento (boa apresentação visual);
– Qualidade consistente e uniforme;
– Sem problemas de delaminação;
– Sem vazios internos e nós soltos;
– Processo de produção 100% automatizado e rastreável;
– Preço competitivo.

E os cupins?
Os painéis fabricados não recebem nenhum tipo de tratamento contra cupins durante sua fabricação. Neste processo as chapas passam por altas temperaturas e pressão, além de uma grande quantidade de resinas. Isto garante que as chapas chegam às revendas livres de cupins, mas não assegura que não possa acontecer a contaminação a partir daí. Por isso, antes de adquirir um móvel novo, acabe com os focos de cupins em casa.

Adicionar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido e Gerenciado com amor pela Future Marketing